A Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA) nasceu dos ideais do Monsenhor Albino Alves da Cunha e Silva. Preocupado com a promoção social, com a melhoria da condição de vida dos necessitados, especialmente dos doentes, conquistou o apoio da comunidade para a construção da Santa Casa de Misericórdia de Catanduva, nos idos de 1920, hoje denominada Hospital Padre Albino.

Mais tarde, direcionando atenção à formação escolar do jovem da cidade e região, empenhou-se no processo de instalação de escolas, surgindo, aí, a Fundação Padre Albino, em 1968, a partir da transformação da Associação Beneficente de Catanduva em Fundação Padre Albino, mantenedora das faculdades.

No dia 29 de março de 1.968 foi realizada a primeira reunião da Fundação Padre Albino, que mesmo após a morte de seu patrono, em 1973, prosseguiu o seu trabalho, através dos membros do Conselho de Curadores, que continuam sua obra com eficiência, seriedade e transparência. Com a visão no futuro, mas sempre pensando no bem estar e no crescimento das pessoas beneficiadas por ela, como era o desejo de Padre Albino.

Neste mesmo ano, uma plêiade de pró-homens da comunidade, liderados pelo Monsenhor Albino, iniciaram os procedimentos para a criação da Faculdade de Medicina de Catanduva (FAMECA).

Em 06 de junho de 1.969, o Conselho Federal de Educação (CFE) autorizou o funcionamento da Faculdade de Medicina de Catanduva.

A primeira turma foi iniciada em 1970.

No dia 01 de outubro de 1.974, antes mesmo de formar a sua primeira turma, a Faculdade de Medicina de Catanduva obteve seu reconhecimento oficial através do Decreto Federal n0. 74.630.

No final da década de 1970, o Hospital Emílio Carlos, do Governo do Estado de São Paulo, destinado ao tratamento da tuberculose, foi desativado em função de mudanças ocorridas nas políticas de saúde pública da nação. A Fundação Padre Albino, em 1982, conseguiu do Governo Estadual a cessão do prédio, com cerca de 33.000 m2 de área construída. 

Em 1983, a FAMECA transferiu-se para o novo prédio e, dois anos mais tarde, iniciou-se a reativação do Hospital Emílio Carlos com a abertura dos ambulatórios de ensino e das enfermarias de clínicas. A partir de então, a Faculdade de Medicina de Catanduva passou a ter dois Hospitais-Escola.

A partir de 2007, passou a integrar as Faculdades Integradas Padre Albino (FIPA) como curso de graduação em  Medicina e oferecia 64 vagas, em regime seriado, com duração de 6 anos. Contando com dois Hospitais-Escola – o Hospital Padre Albino e o Hospital Emílio Carlos. Em 6 de dezembro de 2017  foi publicado o credenciamento do Centro Universitário Padre Albino – UNIFIPA através da portaria nº 1.519, de 05 de dezembro de 2017, com a homologação do Parecer nº 482/2017 da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, divulgada no Diário Oficial da União, fazendo parte atualmente da UNIFIPA.

O Hospital-Escola Padre Albino, Referência Regional, tem capacidade para 209 leitos. É hospital geral, oferecendo atendimento a pacientes advindos do Sistema Único de Saúde (SUS), de outros convênios e a particulares. Seu Pronto-Socorro, único da microrregião, atende, aproximadamente, 100.000 pacientes/ano. Elenca-se, como setores e serviços especializados: Unidade de Queimados de Alta Complexidade, Centro de Terapia Intensiva de Adultos; Centro de Terapia Intensiva Infantil; Centro de Terapia Intensiva Neonatal; Serviço de Hemodiálise; Laboratório de Análises Clínicas; Serviços de Diagnóstico por Imagens: Radiologia, Tomografia Computadorizada, Ultrassonografia, Ressonância Magnética, Mamografia,  Setor de Medicina Nuclear; Unidade de Litotripsia Extracorpórea; Serviço de Eletrocardiograma; Serviço de Marca-Passo; Unidade de hemodinâmica Videoendoscopia e Banco de Leite Materno.

No prédio do Hospital-Escola Emílio Carlos funcionam os Cursos de Medicina, Enfermagem e de Educação Física. O Hospital conta com 141 leitos-ensino, exclusivamente para o SUS e está sendo preparado para ser hospital geral. Caracteriza-se pelos ambulatórios de especialidades com atendimento de 64.493 pacientes em 2010, além de ser centro de referência regional de diagnóstico e tratamento de AIDS, Serviço de Prevenção e Controle da Tuberculose e Hanseníase. O seu projeto privilegia o ensino e a pesquisa médica, possuindo várias salas de aula, algumas delas equipadas com recursos audiovisuais, laboratórios de pesquisa e áreas especiais para diversos procedimentos.

O acesso dos acadêmicos às instalações dos hospitais escola é incentivado desde o início da vida acadêmica, e necessita de identificação prévia no Setor de Recursos Humanos, que fornece um documento oficial (crachá) com a fotografia do aluno.

O Curso de Medicina oferece salas de aula nas dependências dos seus Hospitais-Escola. As práticas do ciclo básico são realizadas nos Laboratórios de Ensino de Anatomia, Histologia e Embriologia, Patologia Geral e Anatomia Patológica, Microbiologia e Imunologia, Parasitologia, Biofísica e Bioquímica, Fisiologia e Farmacologia, Técnica Operatória e Enfermagem. enquanto que as práticas do ciclo clínico são desenvolvidas em ambos os hospitais. Oferece também os seguintes serviços e/ou setores: Laboratório de Anatomia Patológica e Citopatologia, de Parasitologia, Laboratório de Biologia Molecular e de Citogenética humana, Computação Gráfica, Laboratório de Habilidades e Unidade Didática e de Pesquisas Experimentais. Possui estrutura administrativa própria ligada diretamente ao Ministério da Educação além dos serviços e setores de apoio didático-pedagógico.

A Biblioteca é especializada na área de saúde, mantendo acervo aberto de livros, periódicos, filmes e “slides”, em fase final de informatização plena.  Oferece Sala de Informática, destinada aos usuários, com acesso à Internet, através da qual o usuário tem disponíveis as seguintes bases de dados para pesquisa bibliográfica: BIREME, LILACS, MEDLINE, PAHO, REPIDISCA, DESASTRES, ADOLEC, AdSaude, BBO, SIDORH, MedCarib SeCS, CCREPI, WHOLIS e LEYES.

Com a implantação das Faculdades Integradas e a instalação do Núcleo de Editoração de Revistas, criou-se a revista Ciência, Pesquisa e Consciência que,  a partir de então passa a ser o periódico oficial  do curso

Durante o ano, são programados cursos de extensão, de atualização, jornadas, simpósios e congressos, que contam, frequentemente, com a participação de especialistas de destaque de outros centros e universidades. 
Diversos eventos de extensão à comunidade são realizados, como trabalhos de campo em asilos, creches e escolas de ensino fundamental e médio. Realiza campanhas de conscientização na área da saúde, bem como participa das governamentais.

As Ligas Estudantis do Curso participam ativamente de diversas dessas atividades, com acompanhamento docente.

O Curso oferece Programas de Residência Médica credenciadas pelo MEC nas áreas de Clínica Médica, Cirurgia Geral, Obstetrícia e Ginecologia, Pediatria, Ortopedia e Traumatologia, Cirurgia Plástica, Medicina intensiva do adulto, Medicina intensiva pediátrica, Radiologia e Diagnóstico por imagem, Anestesiologia, Cirurgia do Trauma e Neonatologia.  

Desde o seu reconhecimento, há quarenta e dois anos, já graduou cerca de 2.500 médicos, alguns dos quais, atuam, hoje, como docentes da própria FAMECA.

 

bcurso medicina


Rua dos Estudantes, 225
Cep: 15809-144 - Catanduva / SP
(17) 3311-3328

CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ALBINO - UNIFIPA